Feeds:
Posts
Comentários

Archive for novembro \29\UTC 2008

Veja algumas falas na solenidade de abertura do 6º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo, realizado entre os dias 19 e 21 de novembro.

Anúncios

Read Full Post »

logofnpjtranpA diretoria científica do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo publicou nesta quarta-feira, 26 de novembro, a Chamada de Trabalhos (Call for Papers) para o 12º Encontro Nacional de Professores de Jornalismo, que será realizado em Belo Horizonte, entre os dias 17 e 19 de abril de 2009.

O prazo para inscrição dos trabalhos será de 1 de dezembro de 2008 a 31 de janeiro de 2009.

A diretoria do FNPJ fez algumas mudanças na programação do evento para 2008. Os tradicionais Grupos de Trabalho (GTs) tiveram sua denominação alterada para Grupos de Pesquisa (GPs) e fazem parte do VIII Ciclo Nacional de Pesquisa em Ensino de Jornalismo. As alterações são decorrentes do crescimento do Encontro Nacional de Professores de Jornalismo que, a partir de 2009, será composto por vários eventos, como o Pré-Fórum da Fenaj, o Colóquio Andi, o Encontro Nacional de Coordenadores de Curso de Jornalismo e o encontro de professores caracterizado pela programação dos painéis e pela Assembléia Geral do FNPJ.

Segundo do diretor Científico do FNPJ, professor Dr. Leonel Aguiar da PUC do Rio de Janeiro, os trabalhos podem ser apresentados em um dos seguintes grupos de pesquisa: atividades de extensão; ensino de ética e de teorias do jornalismo; pesquisa na graduação; produção laboratorial/eletrônicos; produção laboratorial/impressos; projetos pedagógicos e metodologias de ensino. Informações sobre as modalidades – comunicação científica, relato e pôster – e formatação dos trabalhos podem ser encontradas no sítio web www.fnpj.org.br. As inscrições para o VIII Ciclo, uma das atividades centrais do Encontro Nacional de Professores de Jornalismo, são feitas exclusivamente na página web do FNPJ.

Confira a relação dos Grupos de Pesquisa do FNPJ e os respectivos coordenadores.

Atividades de Extensão
Coordenadora: Profa. Dra. Sandra de Deus
sandra.deus@ufrgs.br

Ensino de Ética e de Teorias do Jornalismo
Coordenador: prof. Dr. Sérgio Luiz Gadini
sergiogadini@yahoo.com.br

Pesquisa na Graduação
Coordenador: prof. Dr. Gerson Luiz Martins
relacoes.institucionais@fnpj.org.br

Produção Laboratorial – Eletrônicos
Coordenador: prof. Dr. Juliano Carvalho
vice-presidente@fnpj.org.br

Produção Laboratorial – Impressos
Coordenador: Prof. Dr. Josenildo Luiz Guerra
jguerra@ufs.br

Projetos Pedagógicos e Metodologias de Ensino
Coordenador: Prof. Dr. Leonel Aguiar
cientifico@fnpj.org.br

Mais informações no sítio web do FNPJ, no endereço: www.fnpj.org.br.

Read Full Post »

Reunião do Comitê de Democratização da Comunicação de Mato Grosso do Sul

Reunião do Comitê de Democratização da Comunicação de Mato Grosso do Sul

O Comitê Estadual de Democratização da Comunicação de Mato Grosso do Sul programou para o próximo ano, em março, a realização de um Seminário para marcar a sua instalação. O Seminário terá como tema “Direitos da Criança na Mídia”  e tem prevista a participação da psicóloga Ana Bocchi, representante do Conselho Regional de Psicologia; do jornalista Guilherme Canela, representante da Agência de Notícias dos Direitos da Infância (Andi); de um representante da OAB-MS, além de um representante do Sindicato dos Jornalistas.

No Seminário também acontece o lançamento dos livros Políticas Públicas Sociais e os Desafios para o Jornalismo publicado pela Andi e Formação Superior em Jornalismo, organizado pela Fenaj.

A programação do Seminário prevê a realização de um painel para discutir o tema geral, no período da manhã e à tarde haverá oficinas sobre temas que tratam da democratização da comunicação.

O Comitê de Democratização da Comunicação de Mato Grosso do Sul é composto pelos representantes do Conselho Regional de Psicologia, Marco Aurélio Portocarrero Naveira; da OAB-MS, Lairson Palermo; do Sindicato dos Jornalistas, Clayton Sales e Alexandre Maciel; do Curso de Jornalismo da UFMS, Daniela Ota; do Curso de Jornalismo da UCDB, Jacir Zanata; da ong Educomunicadores dos Matos, Yara Medeiros; da ong Girassolidário, Juliana Feliz e do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo, Gerson Luiz Martins.

Read Full Post »

Donos da midia, projeto do FNDC e Daniel Herz

Donos da mídia, projeto do FNDC e Daniel Herz

Do Boletim do FNDC

O FNDC disponibilizou um extraordinário banco de dados sobre os grupos de mídia do país. Concebido e liderado por Daniel Herz, Donos da Mídia desvenda os laços de redes e grupos de comunicação, demonstra como o controle sobre a mídia é exercido, o papel dos políticos, a ilegalidade de suas ações e da situação de empresas do setor.

O uso do superlativo “extraordinário” justifica-se facilmente: basta acessar www.donosdamidia.com.br para constatar que o site deverá se constituir em um marco na história das pesquisas sobre comunicação no Brasil. Além da sua diversidade e completude, Donos da Mídia é também um estudo inédito que permite avaliar as relações políticas, sociais e econômicas decorrentes da concentração da mídia nacional.

Produzido pelo Instituto de Estudos e Pesquisas em Comunicação (Epcom), entidade parceira do FNDC, Donos da Mídia, que está em fase de finalização, lista 7.275 veículos de comunicação, abrangendo rádios (inclusive as comunitárias), televisão aberta e por assinatura, revistas e jornais. Relaciona também as retransmissoras de televisão. No caso dos jornais, registra somente os de circulação diária ou semanal.

O papel controlador das redes

Donos da Mídia demonstra como tais veículos se organizam, destacando o papel estruturador das redes nacionais de televisão, especialmente as cinco maiores: Globo, Band, Record, SBT e Rede TV!. Há 33 redes de TV, às quais estão ligados 1.415 veículos, geralmente através de grupos afiliados. As redes de emissoras de rádio FM e OM somam 21. Esses dados podem ser visualizados aqui.

Também são identificados grupos nacionais e regionais. Os grupos nacionais foram definidos como o “conjunto de empresas, fundações ou órgãos públicos que controlam mais de um veículo, independentemente de seu suporte, em mais de dois estados”. Foram identificados 33 grupos, controladores de 267 veículos. Record (34 veículos), Band (32) e Globo (29) são os maiores.

Grupos regionais são aqueles que “controlam mais de uma entidade de mídia, independentemente de seu suporte”, atuando em até dois estados. Há 139 deles, controlando 655 veículos. RBS (55 veículos), OJC (24) e Sistema Mirante (22) são os maiores – todos são ligados a Globo. Esses dados podem ser vistos aqui. Os veículos quantificados podem ser localizados geograficamente na consulta à seção Lugares. Cada um dos 5.564 municípios brasileiros é referido.

A ilegalidade de grupos e políticos

Navegando em Donos da Mídia, é possível saber quantos veículos há em cada município, quais os grupos de mídia atuantes nas várias regiões, bem como dimensionar a cobertura das redes. Confira aqui. Para visualizar, por exemplo, o mapa da mídia em São Paulo, clique aqui. Os dados sobre as empresas incluem desde os seus endereços até seus concessionários, permissionários ou proprietários.

A localização dos veículos e a identificação de seus concessionários (e seus sócios) permite, por exemplo, constatar a situação ilegal da maioria dos grupos de mídia. Quase todos controlam um número de concessões superior ao permitido por lei. Os limites de concessões ou permissões para os serviços de radiodifusão podem ser vistos aqui. Outra ilegalidade flagrada pelo cruzamento de dados proporcionado pelo site é a participação direta de políticos no controle de emissoras de rádio e TV.

Como é sabido, a Constituição Federal proíbe (artigo 54) os deputados e senadores participar de organização definida como “pessoa jurídica de direito público, autarquia, empresa pública, sociedade de economia mista ou empresa concessionária de serviço público”. Essa determinação constitucional aplica-se, por extensão, aos deputados estaduais e prefeitos. Entretanto, Donos da Mídia, identificou 20 senadores, 48 deputados federais, 55 deputados estaduais e 147 prefeitos como sócios ou diretores de empresas de radiodifusão.

Quanto às suas origens partidárias, predominam os políticos filiados ao DEM (58, ou 21,4%), ao PMDB (48, ou 17,71%) e ao PSDB (43, ou 15,87%. Esses dados podem ser pesquisados aqui.

Um projeto de Daniel Herz

Apoiado em fontes sólidas e em uma extensa e detalhada pesquisa, Donos da Mídia representa o vértice de um projeto concebido e liderado pelo jornalista Daniel Herz, um dos fundadores do FNDC e seu principal mentor, falecido em maio de 2006. Ele também criou o Instituto de Estudos e Pesquisas em Comunicação (Epcom), sediado em Porto Alegre.

Em sua fase decisiva, o projeto foi conduzido pelo jornalista James Görgen, que integrou o Epcom por vários anos. Leia a história do projeto aqui. Além da equipe relacionada no site, participou da pesquisa, na fase preliminar, a então estagiária de jornalismo Michele Fatturi.

O jornalista e professor universitário Celso Schröder, Coordenador-geral do FNDC, sugere que todas as entidades, universidades, ongs e sindicatos coloquem nos seus sites um link para Donos da Mídia. Observa que “a luta pela democracia na mídia só terá sucesso quando a sociedade se apropriar dela.” E acrescenta: “Donos da Mídia demonstra de modo enfático as distorções que o FNDC vem apontando e ratifica suas proposições. Poderá ser uma ferramenta poderosa a serviço dos que ambicionam democratizar a comunicação brasileira e do aperfeiçoamento das suas propostas de políticas públicas.”

Read Full Post »

Reunião com o ministro do Trabalho, Carlos Lupi

Reunião com o ministro do Trabalho, Carlos Lupi

Do Boletim da Fenaj

A FENAJ entregou ao Ministério do Trabalho e Emprego nesta terça-feira (25/11) suas propostas para atualizar a regulamentação do exercício da profissão de jornalista. Entre as proposições estão cinco eixos estruturais: a exigência de diploma de ensino superior em Jornalismo para todas as funções jornalísticas, diferenciação da atividade de colaborador, fim do provisionamento com regras de transição, definição das especificidades do estágio e transformar em funções atividades que já estão previstas, como professor de Jornalismo e assessor de Imprensa.

O documento atende às tratativas entre a FENAJ e a Secretaria das Relações de Trabalho do MTE, que coordena os trabalhos do Grupo de Estudos criado pelo Ministério para propor atualizações na regulamentação profissional da categoria. O Grupo de Trabalho havia estabelecido um cronograma de seis audiências públicas em todo o país para tratar do assunto, mas após a realização de três delas representantes das empresas de comunicação afastaram-se do processo.

O prazo de 90 dias para a elaboração do relatório do Grupo de Estudos termina nesta quarta-feira (26/11). A Secretaria das Relações de Trabalho disse que solicitaria propostas também do setor empresarial.

A justificativa da proposta da FENAJ sustenta que o Jornalismo precisa de uma regulamentação que dê conta de abarcar as suas funções exclusivas e que “são atividades específicas do jornalista todas aquelas que em quaisquer meios, mídias, nas mais diversas linguagens, suportes técnicos e espaços da área da comunicação (da TV à assessoria de imprensa) manuseiam conteúdos informativos jornalísticos”.

Sustenta, também, que as “habilidades e competências específicas no processo de produção jornalística, no exercício diário da profissão, traduzem-se em diversas funções, as quais aumentam em número, em complexidade e em zonas de cruzamento com as demais profissões da área à medida que a própria comunicação se desenvolve e se modifica sob o impacto da inovação tecnológica”.

O presidente da FENAJ, Sérgio Murillo de Andrade, registra que a regulamentação profissional dos jornalistas, como as de outras profissões, tem o objetivo de regular o exercício da atividade e garantir os direitos da categoria. “Mas principalmente a regulamentação garante o exercício da profissão com qualidade, ética e respeito ao direito da sociedade à informação com responsabilidade e pluralidade”, reforça.

A FENAJ considera imprescindível que uma nova lei transforme em funções, atividades que já estão previstas na legislação vigente. São elas as de Assessor de imprensa, Editor, Coordenador de pauta ou pauteiro e Professor de conteúdos jornalísticos.

No documento entregue ao MTE a FENAJ resgata que a regulamentação da profissão é uma reivindicação da categoria desde 1918, mas que só foi conquistada em 1938. Lembra, também, que a regulamentação da profissão sempre foi combatida pelos empresários de comunicação.

Não faltou a lembrança do que as entidades sindicais dos jornalistas consideraram um equívoco do governo: o veto presidencial ao PLS 79/04, baseado num parecer do Ministério da Justiça que alegava uma suposta inconstitucionalidade do projeto em função de ameaçar a liberdade de expressão. “O PL, na verdade, apenas atualizava a Lei em vigor proposta e defendida, em várias oportunidades, pela própria União”, arremata o documento.

Read Full Post »

Prof. Dr. José Marques de Melo, presidente da Comissão de Jornalismo do MEC

Prof. Dr. José Marques de Melo, presidente da Comissão de Jornalismo do MEC

Do Boletim da Fenaj

A FENAJ protocolou nesta terça-feira (25/11), no Ministério da Educação, sua indicação para a Comissão que vai elaborar novas diretrizes curriculares dos cursos de Jornalismo. O Fórum Nacional de Professores de Jornalismo também definiu seus nomes e a Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo deve fazê-lo ainda nesta semana. No dia 20 de novembro, representantes das três entidades se reuniram com o professor José Marques de Melo, indicado pelo MEC para presidir a Comissão.

Proposta pelo ministro Fernando Haddad em audiência com as três entidades, no dia 23 de outubro, a Comissão tem por objetivo revisar as diretrizes curriculares dos cursos de Jornalismo para qualificar a formação profissional e formular propostas a serem apresentadas ao Conselho Nacional de Educação. As indicações da FENAJ, FNPJ e SBPJor são sugestões que o presidente da Comissão poderá acatar ou não.

A FENAJ indicou o jornalista e professor Eduardo Meditsch, da UFSC (mestre em Ciências da Comunicação pela USP e doutor na mesma área pela Universidade Nova de Lisboa). O FNPJ indicou os jornalistas e professores Sandra de Deus, da UFRGS (mestre em Extensão Rural pela UFSM e doutora em Comunicação pela UFRGS) e Alfredo Vizeu, da UFPE (mestre em Comunicação pela PUC-RS e doutor em Comunicação pela UFRJ). E a SBPJor fará sua indicação até o final desta semana.

Diretrizes
Na quinta-feira passada (20/11), os presidentes do FNPJ, Edson Spenthof, e da SBPJor, Carlos Franciscato, mais a Diretora de Educação da FENAJ, Valci Zuculoto e o Diretor de Relações Institucionais do FNPJ, Gerson Luiz Martins, reuniram-se em São Paulo com o professor José Marques de Melo, indicado pelo MEC para presidir a Comissão de atualização das Diretrizes Curriculares para o Jornalismo. Os três buscaram esclarecimentos sobre como Marques de Melo pretende compor a Comissão e qual será sua metodologia de trabalho. Ele disse que não quer notáveis, mas sim integrantes com legitimidade dos diversos segmentos do campo do Jornalismo, inclusive do empresariado.

Quanto à forma de trabalhar, disse que por meio da Comissão buscará mobilizar e ouvir as sugestões e propostas de todos os segmentos para depois sistematizá-las e encaminhá-las ao MEC e ao Conselho Nacional de Educação.

A diretora da FENAJ alertou para que não se perca o acúmulo do campo, em especial o da Proposta de Diretrizes do Seminário de Campinas, de 1999. Marques de Melo concordou e assegurou que este será um dos pontos de partida para a atualização. A FENAJ, que foi uma das promotoras, junto com o FNPJ, Intercom e Curso de Jornalismo da PUC/Campinas, vai encaminhar o documento formalmente para o presidente da Comissão, assim como o Programa Nacional de Estímulo à Qualidade do Ensino. Da FENAJ, Marques de Melo também recebeu como subsídio o livro “Formação Superior em Jornalismo – uma exigência que interessa à sociedade”. Pelas três entidades, o professor ainda foi alertado quanto ao retrocesso que representará a volta do ciclo básico. Marques de Melo, neste ponto, igualmente concordou que deve ser evitado.

Balanço positivo
O resultado do encontro com o presidente da Comissão, para os diretores da Fenaj, Valci Zuculoto e do FNPJ, Gerson Luiz Martins foi considerado produtivo. ”Precisamos, todos os segmentos e entidades do campo do Jornalismo, lutar para que as novas diretrizes efetivamente preparem profissionais com competência e consistência técnica, teórica e ética”, destacou Zuculoto.

Para o presidente do FNPJ, Edson Spenthof, a preocupação de Marques de Melo em mediar as propostas dos diversos segmentos envolvidos no debate das diretrizes curriculares é positiva. “Neste primeiro contato houve avanços em várias questões, mas em outras é preciso aprofundar o debate”, disse, ao destacar a necessidade de valorizar as discussões acumuladas nas três entidades até o momento.

O presidente da SBPJor, Carlos Franciscato, considerou importante a consciência que o presidente da Comissão demonstrou da responsabilidade que lhe cabe neste processo: “ele [Marques de Melo] se mostrou sensível ao diálogo e acredito que teremos uma Comissão bastante qualificada para o debate”.

Read Full Post »

Logo 6º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor)

Logo 6º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor)

Começa em São Bernardo do Campo nesta quarta-feira, 19, o 6º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo. O tema geral do evento é “A construção da campo do jornalismo no Brasil” e terá 13 comunicações coordenadas e mais de 80 comunicações individuais.

A conferência de abertura do evento acontece às 20h00 do dia 19 e terá como conferencista o professor e pesquisador Silvio Waisbord, professor na School of Media and Public Affairs da George Washington University, autor de Watchdog Journalism in South America e de diversos artigos que tratam de jornalismo e sociedade civil.

O 6º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo é promovido pela Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor) e acontece até o dia 21 de novembro, na Universidade Metodista de São Paulo (Umesp).

Read Full Post »

Older Posts »