Feeds:
Posts
Comentários

Archive for setembro \29\+00:00 2008

Manifestação em defesa do jornalismo realizado em Campo Grande (MS)

Manifestação em defesa do jornalismo realizado em Campo Grande (MS)

Do Boletim do Sindjor-MS

O abaixo-assinado em defesa do diploma de jornalismo como condição essencial para exercer a profissão acolheu 425 assinaturas de transeuntes na rua Barão do Rio Branco. No dia 27 de setembro, sábado, acadêmicos, professores e profissionais protestaram contra Recurso Extraordinário cujo julgamento está no mérito do Supremo Tribunal Federal (STF) para este semestre e estipula que qualquer pessoa, até mesmo sem ensino fundamental, poderá se tornar jornalista, em nome de uma suposta liberdade de expressão.

Durante a manifestação, as pessoas demonstraram interesse em debater a questão, exprimindo, em várias ocasiões, sua perplexidade com relação à possibilidade do jornalista profissional deixar de ser o legítimo representante social para o equilíbrio das verdades na sociedade.

O evento foi animado e contou até mesmo com canjas musicais acústicas. Os acadêmicos também se organizaram em grupo para colher assinaturas de cidadãos que circulavam em outros pontos do centro. Em seu discurso, o presidente do SindJor-MS, Clayton Sales, ressaltou que a luta pelo diploma é uma batalha da sociedade como um todo e não uma questão de classe e incentivou a democratização do livre debate sobre o assunto, que não tem sido devidamente proposto pela grande mídia.

A coleta de assinaturas continua e você pode contribuir. Acesse o link http://www.sindjorms.com.br/jornalismo/wp-content/assinepelodiploma.pdf imprima o abaixo-assinado e circule pela sua região. Depois, entregue as folhas preenchidas na sede do SindJor-MS. Todas as assinaturas serão enviadas à coordenação geral da campanha, encabeçada pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj).

Read Full Post »

Prof. Dr. José Marques de Melo

Prof. Dr. José Marques de Melo

O professor Dr. José Marques de Melo recebeu o título “Doutor Honoris Causa” da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) no último dia 26 de setembro. A UERN reuniu sua Assembléia universitária, em Mossoró (RN)  para comemorar 40 anos de fundação e homenagear personalidades da cultura brasileira. O ato foi presidido pelo Reitor Milton Marques de Medeiros, realizado no Teatro Municipal, com a presença do Secretário da Educação do Estado, representando a Governadora do Rio Grande do Norte, Wilma Farias, e de outras autoridades regionais.

O Prof. Dr. José Marques de Melo, docente fundador da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e atual diretor da Cátedra UNESCO/UMESP de Comunicação,  foi escolhido pelos homenageados para representá-los, fazendo a saudação  de agradecimento à Assembléia Universitária da UERN. Na ocasião, o professor Marques de Melo proferiu o seguinte discurso:

Aos olhos de visitantes estrangeiros, cujos claustros acadêmicos  festejam séculos de existência, pode parecer precoce a iniciativa de celebrar os 40 anos de uma universidade. Mas, no Brasil, onde temos sido testemunhas oculares de uma História tão recente quanto enigmática, faz todo sentido comemorar as décadas vencidas. Como percebeu claramente o sábio potiguar Luis da Câmara Cascudo,  trata-se de simbolismo que evidencia a “desesperada vontade de viver” de instituições vitimadas pela castração intelectual durante os primeiros séculos da nossa existência como civilização. Não podemos esquecer que o Brasil só agora, em 2008,  está comemorando o bicentenário da sua imprensa e  somente em 2034 vai celebrar o primeiro centenário da sua universidade. Vivendo num país que,  não obstante os avanços e conquistas do último século,  mantém na ignorância vastos contingentes da sua população, sem saber ler, escrever, contar ou argumentar, temos necessidade de festejar ocasionalmente a sobrevivência dos espaços cognitivos e dos projetos culturais. Vivendo numa sociedade que fomenta a cultura do silêncio, cuja mídia tem sido manietada frequentemente pela incúria da elite política,  mais preocupada em pilhar o erário público do que em converter a educação, a ciência e a tecnologia em prioridades nacionais, só nos resta celebrar  efemérides como se fossem antídotos para prevenir a síndrome da mordaça. Vivendo num tempo cuja velocidade implacável produz a sensação de anacronismo material ou de obsolescência espiritual, nada mais oportuno do que fazer uma parada para construir ícones, premiar virtudes, reconhecer méritos. E àqueles que generosamente são distinguidos com a benevolência e o carinho desta Universidade só nos resta agradecer a homenagem que nos tributam nesta confraternização acadêmica. Desejamos que,  a cada década, esta Assembléia Universitária volte a se reunir,  para festejar êxitos, fortalecer alianças com a sociedade, sinalizar aos mais jovens, com humildade e lealdade, alegria e esperança. Pois a Universidade tem uma missão irrenunciável, que não se esgota na rotina de ministrar aulas, expedir diplomas,  promover congressos, lançar publicações. Trata-se de dar conseqüência àquele conjunto de metas que Luis da Câmara Cascudo (Universidade e Civilização, Natal, Editora Universitária, 1959), melhor do que ninguém, enunciou com tanta clarividência, auto-estima, universalidade. “ A Universidade deve valorizar, estudar, defender a Civilização do Brasil. (…) Conhecê-la, amá-la, compreendê-la pela pesquisa … (…) Ter o sentimento de solidariedade humana, a compreensão imediata de fatores universais que atuam perto de nós e em nós mesmos. Sentir-se parte do Mundo, não entre os homens, mas com os homens. (…) Valorizar o Brasil para que possamos ser dignos colaboradores no esforço cultural do Mundo, levando ajuda de nossa competência. (…) Não esquecer que somos portadores de uma missão de Cultura. (…) Não olvidar a universalidade do interesse por tudo que seja humano e ligado à dignidade do Espírito, da Personalidade, Justiça, a Liberdade, o Respeito, o Decoro, a Tranqüilidade Moral. (…) Assim, a missão universitária;  sua alma é preparar os valorizadores da Civilização Brasileira, ampliadores das Culturas, em serviço da Humanidade ”.

UERN

A Universidade Estadual do Rio Grande do Norte – UERN – foi criada pela Lei Municipal n.20, de 28 de setembro de 1968,  como instituição de  natureza regional, passando à órbita estadual pela Lei 5.581 de 26 de setembro de 1986. Sediada em Mossoró, mantém 5 outros campi avançados (Assu, Natal, Pau dos Ferros e Patu), além de 11 núcleos complementares (Alexandria, Apodi, Areia Branca, Areia Preta,  Caicó, Carnaúbas, Joao Câmara, Macau, Nova Cruz, Santa Cruz, São Miguel, Touros).  A área de Comunicação conta com três cursos: Jornalismo, Publicidade e Radialismo. http://www.uer.br

Homenageado

Jornalista, escritor e pesquisador, José Marques de Melo é  Professor Emérito da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), instituição em que obteve os títulos de doutor, livre-docente, professor-adjunto e professor catedrático de em Ciências da Comunicação (Jornalismo). Atuou como pesquisador/professor visitante e proferiu conferências em várias universidades estrangeiras. Atualmente é docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da UMESP, sendo titular da Cátedra Unesco de Comunicação para o Desenvolvimento Regional. Fundou e presidiu a Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – INTERCOM e a Rede Alfredo de Carvalho de História da Mídia. É autor de inúmeros livros, dos quais os mais recentes são: História do Pensamento Comunicacional (Paulus, 2003), História Social da Imprensa (EdiPUCRS, 2003), Jornalismo Brasileiro (Sulina, 2003), A esfinge midiática (Paulus, 2004), Teoria do Jornalismo (Paulus, 2006), Mídia e Cultura Popular (Paulus, 2008), História Política das Ciências da Comunicação (Mauad, 2008). www.marquesdemelo.pro.br

Read Full Post »

Diretora Cientifica da SBPJor, Márcia Benetti Machado

Diretora Científica da SBPJor, Márcia Benetti Machado

A diretoria da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo – SBPJor divulgou nesta segunda, 29 de setembro, a estrutura de apresentação dos trabalhos aprovados no 6º Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo.

Segundo a diretora científica da entidade, Márcia Benetti, os trabalhos foram distribuídos segundo a capacidade de salas da UMESP e a aproximação temática. Todas as salas são multimídia e contam com computador, projetor multimídia e ponto de rede. Benetti destacou ainda que o tempo médio de apresentação para cada trabalho será de 20 minutos, com outros 20 ou 30 minutos de debate, a depender do que decidir o coordenador da sessão. Conforme Márcia Benetti, devido ao grande número de trabalhos, não foi possível seguir o calendário inicialmente proposto, que previa todas as Coordenadas na tarde do dia 20.

Confira a ordem de apresentação dos trabalhos:

20 de novembro (quinta-feira) – das 11h às 13h:

Sala: 01
Sessão: Individual 01
Coordenação: Verónica Cortes

Um olhar para o caso Isabella: tempo real e drama ao vivo
Daniel Barsi; Eloísa Klein; Lourdes Ana Pereira Silva

Investigação criminal, jornalismo e narratividade: algumas notas sobre o caso Madeleine McCann
João Carlos Correia

Isabella e João Hélio: “nossas” crianças em perigo
Verónica Aravena Cortes; Maria Cleidejane Esperidião; Ingrid Gomes

::::::::::::

Sala: 02
Sessão: Individual 02
Coordenação: Marcelo Träsel

O Twitter como suporte para produção e difusão de conteúdos jornalísticos
Gabriela da Silva Zago

O uso do microblog como ferramenta de interação da imprensa televisiva com o público
Marcelo Träsel

Jornalismo live streaming: tempo real, mobilidade e espaço urbano
Fernando Firmino da Silva

::::::::::::

Sala: 03
Sessão: Individual 03
Coordenação: Carlos Alberto Zanotti

Ensino de jornalismo: campo de pesquisa e formação profissional
Alice Mitika Koshiyama

Teorias do jornalismo e atividades laboratoriais
Carlos Alberto Zanotti

O ensino de processos de produção no jornal-laboratório
Márcia Marques

::::::::::::

Sala: 04
Sessão: Individual 04
Coordenação: Vicente Darde

Tal como parece ser: a idéia de verdade no telejornalismo contemporâneo
Águeda Miranda Cabral

Estratégias e operações de auto-referencialidade no telejornalismo
Fabiane Sgorla; Maria Ivete Trevisan Fossá

As representações dos casais homossexuais sob a perspectiva heteronormativa no Globo Repórter
Márcia Veiga; Vicente Darde

::::::::::::

Sala: 05
Sessão: Individual 05
Coordenação: Sérgio Gadini

Cultura na primeira página: o jornal Diário do Sul e a representação do sistema artístico-cultural
Cida Golin; Ana Gruszynski; Everton Cardoso; Sara Keller; Tales Gubes Vaz

O performativo no jornalismo cultural: uma organização discursiva diferenciada
Elizabeth Moraes Gonçalves; J. S. Faro

Breves sugestões e estratégias (metodológicas e contextuais) para compreender os processos editoriais no campo cultural
Sérgio Luiz Gadini

::::::::::::

Sala: 06
Sessão: Individual 06
Coordenação: Veridiana Mello

O que o jornalista pensa que os leitores pensam: o efeito de terceira pessoa sobre os produtores da notícia
Adriana Santiago

A identidade do leitor da Folhinha: construção que se atualiza
Juliana Doretto

Jornalismo de rádio: do processo de produção moderno ao receptor pós-moderno
Veridiana Piveta de Mello

::::::::::::

Sala: 07
Sessão: Individual 07
Coordenação: Antonio Marcos Brotas

Estado X Religião: enquadramento reduzido de Veja do debate sobre a legalidade do uso das células-tronco embrionárias
Antonio Marcos Pereira Brotas; Carmen Lúcia Costa Brotas

Modelos de produção de sentido no discurso jornalístico
Francilene Alves Brito

Estado de Minas: voz da mineiridade
Hélio de Mendonça Rocha; Potiguara Mendes da Silveira Junior

::::::::::::

Sala: 08
Sessão: Individual 08
Coordenação: José Luiz Proença

Representações no jornalismo popular: a cidadania no discurso do Extra (RJ)
Carine Felkl Prevedello

A prática jornalística no Jornal Pastoral da Criança: um estudo sobre comunicação popular, recepção e gênero
Cristiane Oliveira Reimberg

Avanço e recuo de O Estado de S. Paulo no uso da linguagem popular mostra resistência da segmentação na linguagem jornalística
José Luiz Proença; Luiz Antonio de Paula

::::::::::::

Sala: 09
Sessão: Individual 09
Coordenação: Joanita Mota de Ataide

Escrituras sobre a enunciação jornalística
Antônio Fausto Neto

O sujeito jornalístico: uma perspectiva enunciativa sobre o jornalismo
Cristina Charão Marques

(Des)Construção da cena enunciativa: proposta de metodologia para o jornalismo
Joanita Mota de Ataide

20 de novembro (quinta-feira) – das 14h30 às 18h30:

Sala: 01
Sessão: Coordenada 01
200 ANOS DA IMPRENSA BRASILEIRA: APRESENTANDO ALGUMAS REFERÊNCIAS
Coordenação: Antonio Hohlfeldt

Princípio, meio e fim da cordata Gazeta do Rio de Janeiro
Álvaro Nunes Larangeira

Imprensa e mercado no Brasil: de 1945 aos nossos dias
Ana Paula Goulart Ribeiro

Cipriano Barata e o Jornal Sentinella da Liberdade
Ana Regina Rêgo

A imprensa nas colônias de expressão portuguesa: principal bibliografia
Antonio Carlos Hohlfeldt

A liberdade de imprensa em questão no Portugal vintista: as Cartas de José Agostinho de Macedo a Pedro Alexandre Cavroé
Jorge Pedro Sousa

Entre embates e a política no século XIX: o início do jornalismo no Maranhão (1821-1823)
Roseane Arcanjo Pinheiro

::::::::::::

Sala: 02
Sessão: Coordenada 02
FOUCAULT E O JORNALISMO
Coordenação: Beatriz Marocco

Produção jornalística de sexualidades: como a Folha de S. Paulo midiatizou os debates sobre união civil homossexual no Brasil
Alexandre Rocha da Silva

Entrevista jornalística, confissão e as neoconfissões na mídia brasileira
Beatriz Marocco

Sobre Foucault e o jornalismo
Daisi Vogel

A produção jornalística sob a ótica dos dispositivos disciplinares
Mayra Rodrigues Gomes

::::::::::::

Sala: 03
Sessão: Coordenada 03
TENDÊNCIAS DO RADIOJORNALISMO
Coordenação: Eduardo Meditsch

Radiojornalismo: novas tendências tecnológicas e velhos dilemas práticos
Álvaro Bufarah Junior

O formato all-news no rádio brasileiro: importação, estranhamento e adaptação
Juliana Gobbi Betti; Eduardo Meditsch

Enfim, o digital: expectativas dos ouvintes da Itatiaia diante da chegada do novo rádio
Nair Prata; Wanir Campelo, Maria Claudia Santos

Rádio e tecnologias digitais: desafios para a formação do jornalista
Sônia Caldas Pessoa

O radiojornalismo nas emissoras do campo público: perspectivas e linhas atuais
Valci Regina Mousquer Zuculoto

::::::::::::

Sala: 04
Sessão: Coordenada 04

OS CIBERMEIOS JORNALÍSTICOS NO BRASIL E NA ESPANHA – MESA 1
Coordenação: Elias Machado

O público como centro da convergência de meios
Claudia Irene de Quadros

O jornalismo digital no Diário.com: modelos de produção de conteúdos no Diário Catarinense On-line
Elias Machado; Diego Kerber; Elaine Manini

Perfil y comportamiento de los autores de los blogs destacados en los ciberdiarios de Vocento
Koldo Meso Ayerdi; Bella Palomo

Reflexões metodológicas sobre o estudo do agenda-setting no sistema de promoção de notícias menéame
Jan Alyne Souza e Silva

La participación en los diarios digitales: similitudes y diferencias entre los cibermedios europeos y brasileños
Xosé López García

::::::::::::

Sala: 05

Sessão: Coordenada 05

TELEJORNALISMO: UM LUGAR DE REFERÊNCIA – INTERPRETAÇÃO DA REALIDADE SOCIAL E RELAÇÕES DE CONFIANÇA
Coordenação: Flávio Antônio Camargo Porcello

O telejornalismo como lugar de referência: a redução da complexidade nas sociedades contemporâneas
Alfredo Eurico Vizeu Pereira Junior

Culpado ou Inocente? Direito à informação x Direito à Privacidade – As sentenças condenatórias do telejornalismo
Flávio Antônio Camargo Porcello

Informar, entreter e seduzir: os discursos do Jornal Nacional e do Jornal da Band na cobertura do resgate de Ingrid Bettancourt
Laerte Magalhães

A emoção como agente de cognição jornalística
Sean Hagen

“O crime que chocou o Brasil”: mídia, justiça e opinião pública na primeira fase do caso Isabella Nardoni
Sylvia Moretzsohn

Por uma sintaxe do telejornal: um estudo sobre a função da passagem na reportagem
Yvana Fechine; Luisa de Abreu e Lima

::::::::::::

Sala: 06

Sessão: Coordenada 06

ENSINO DE JORNALISMO E A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO
Coordenação: Gerson Luiz Martins

Qualidade da informação jornalística: o jornal laboratório em questão
Ana Prado

As potencialidades do ciberjornalismo no ensino de jornalismo
Gerson Luiz Martins

A pós-graduação em Jornalismo e a aproximação com os jornalistas que atuam no mercado de trabalho
Marcos Santuário

Mídia e intolerância: trabalhando a questão da alteridade com alunos de jornalismo
Valquíria Michela John

A hora da nova utopia
Victor Gentilli

::::::::::::

Sala: 07

Sessão: Coordenada 09

JORNALISMO DE REVISTA E PRODUÇÃO DE SENTIDOS
Coordenação: Marcia Benetti

O bem viver “revistado”: materialidade, discursividade e prática jornalística
Frederico de Mello Brandão Tavares

Experiência e receituário performativo na mídia impressa
José Luiz Aidar Prado

Jornalismo e vida cotidiana: o comer e o cozinhar contemporâneos nas revistas semanais
Marcia Benetti

Através do Espelho: o acontecimento Isabella na revista Veja
Paulo Bernardo Ferreira Vaz; Renné Oliveira França

Edições Verdes da revista Época: gramáticas ecológicas no jornalismo contemporâneo
Reges Toni Schwaab

::::::::::::

Sala: 08

Sessão: Individual 10
Coordenação: Cláudia Herte de Moraes

Como o campo do jornalismo auxilia na construção dos problemas ambientais
Carine Massierer; lza Maria Tourinho Girardi

Jornalismo ambiental: dilemas de uma quase especialidade
Cláudia Herte de Moraes

Jornalismo e meio ambiente: estudo da estética de revistas especializadas
Eloisa Beling Loose

Agendamento e frames da questão climática nos impressos brasileiros
Janayde de Castro Gonçalves

As temáticas da ciência abordadas na revista Scientific American Brasil
Ana Luiza de Azevedo Pires Sério; Maria Regina Dubeux Kawamura

Jornalismo e C&T no meio rural: a divulgação de ciência e tecnologia no programa televisivo Caminhos da Roça
Caroline Petian Pimenta Bono Rosa

::::::::::::

Sala: 09

Sessão: Individual 11
Coordenação: Eliana de Albuquerque

Ligações perigosas: considerações sobre a prática coronelista e o jornalismo no sul da Bahia
Abel Dias de Oliveira, Eliana Cristina Paula Tenório de Albuquerque; Marlúcia Mendes da Rocha

Jornalismo político e limites ao direito à informação: a cobertura da Operação Pasárgada pelos diários de Juiz de Fora (MG)
Francisco Ângelo Brinati

A lógica do discurso midiático: contradições, revelações e impactos sociais
Francisco Fonseca

A reinvenção do Nordeste: estratégias dos grupos de mídia para o jornalismo audiovisual regional
Luiza Lusvarghi

Jornal como empresa e política como negócio: um perfil do patronato de mídia no Pará
Maria do Socorro Furtado Veloso

Jornalismo e norte do Brasil: em busca dos desejos do “outro”
Vânia Maria Torres Costa

21 de novembro (sexta-feira) – das 11h às 13h:

Sala: 01

Sessão: Individual 12
Coordenação: Michele Negrini

O telejornal na América Latina: um gênero, vários estilos
Melina de la Barrera Ayres

A morte como acontecimento jornalístico: uma observação da cobertura do Jornal Nacional ao caso do vôo 3054 da TAM
Michele Negrini

Televisão regional e identidade cultural: o caso da TVCOM no Rio Grande do Sul
Vicente Fernandes Dutra Fonseca

::::::::::::

Sala: 02

Sessão: Individual 13
Coordenação: Lilian França

Infografia em base de dados no jornalismo digital
Adriana Alves Rodrigues

O jornalismo online como evento audiovisual
Lilian Cristina Monteiro França

La metodología experimental en el estudio del tratamiento visual del la información periodística
Maria Ángeles Cabrera González

::::::::::::

Sala: 03

Sessão: Individual 14
Coordenação: Célia Regina da Silva

Mídia e estratégias comunicacionais: a linguagem icônica como operadora de sentidos
Angélica Lüersen

A pessoa (não) é para o que nasce: a produção discursiva na cobertura fotojornalística do  Parapan / 2007
Célia Regina da Silva

A liberdade expressiva no design do Correio Braziliense
Dúnya Azevedo

::::::::::::

Sala: 04

Sessão: Individual 15
Coordenação: Leonel de Aguiar

O cidadão-comum nas páginas do Diário de Santa Maria: uma questão de valores-notícia
Carolina Adolfo de Carvalho

O jornalismo sensacionalista e a lógica da sensação
Leonel Azevedo de Aguiar

Sensacionalismo, espetacularização e jornalismo popular: a disputa pelo leitor no caso da Esquartejada
Mariângela Recchia

::::::::::::

Sala: 05

Sessão: Individual 16
Coordenação: Virgínia Fonseca

As transformações do mundo dos jornalistas: a consolidação de novos valores profissionais a partir dos anos 1950
Fábio Henrique Pereira

Jornais de minuto e identidade em crise: mudanças no jornalismo contemporâneo
Mariana Canamary

Jornalista contemporâneo: apontamentos para discutir a identidade profissional
Virgínia Pradelina da Silveira Fonseca; Wesley Lopes Kuhn

::::::::::::

Sala: 06

Sessão: Individual 17
Coordenação: Ângela Zamin

Os textos acadêmicos brasileiros sobre jornalismo internacional e América Latina: análise, tendências e perspectivas
Ângela Maria Zamin

Estratégias de legitimação do campo do jornalismo na sociedade midiatizada
Luciana Menezes Carvalho; Eugenia Mariano da Rocha Barichello

Do jornalismo como fala autorizada: notas sobre a legitimação de um campo discursivo
Michelle Roxo de Oliveira

::::::::::::

Sala: 07

Sessão: Individual 18
Coordenação: Lara Linhalis Guimarães

Aspectos da convergência de mídias e da produção de conteúdo multimídia no Clarín.com
Daniela Oswald Ramos

“Quando o jogo continua após os 90 minutos”: uma análise das relações entre a blogosfera e a midiaesfera futebolística argentina durante o Campeonato Mundial de futebol Alemanha 2006
Gonzalo Prudkin

“Reportagem especial merece tratamento especial”
Lara Linhalis Guimarães

::::::::::::

Sala: 08

Sessão: Individual 19
Coordenação: Fernando Arteche Hamilton

A tragédia jornalística: análise de estratégias discursivas em eventos potencialmente trágicos que não respondem ao critério “quantidade de mortes”
Anna Carolina Ulandovski Azevedo; Maura Oliveira Martins

A representação jornalística da violência no trânsito: uma análise de conteúdo da campanha “Violência no trânsito – isso tem que ter fim!”, do Jornal de Santa Catarina
Fernando Arteche Hamilton; Eduardo Santos Pereira

Estratégias discursivas de opinião nas revistas semanais: os advérbios em Veja, Época, IstoÉ e Carta Capital
Janaíne dos Santos

::::::::::::

Sala: 09

Sessão: Individual 20
Coordenação: Aline Strelow

A discussão metodológica e a construção do campo do jornalismo
Aline do Amaral Garcia Strelow

A teoria do jornalismo no cinema: como aportes teóricos do jornalismo são apresentados no filme O quarto Poder
Macelle Khouri

Análise de enquadramento noticioso: da origem às diferentes abordagens
Plínio Marcos Volponi Leal

21 de novembro (sexta-feira) – das 14h30 às 18h30:

Sala: 01

Sessão: Coordenada 07

TELEJORNALISMO E CONTEMPORANEIDADE: REPRESENTAÇÃO E PRODUÇÃO DE SENTIDOS PÚBLICOS
Coordenação: Iluska Coutinho

O tempo e o acaso: matérias-prima do telejornalismo
Aline Maria Grego Lins

O telejornalismo na era digital
Beatriz Becker; Juliana Teixeira

Telejornal: máquina de produzir o presente?
Célia Maria Ladeira Mota

A cidade na TV: a privatização do público
Christina Ferraz Musse; Patrícia Rocha Magalhães

As cenas do telejornalismo comunitário
Edna de Mello Silva

Telejornalismo a serviço do público: a voz do povo em cena
Iluska Coutinho; Jhonatan Mata

::::::::::::

Sala: 02

Sessão: Coordenada 08

OS CIBERMEIOS JORNALÍSTICOS NO BRASIL E NA ESPANHA – MESA 2
Coordenação: Luciana Mielniczuk

Narrativa jornalística e base de dados: discussão preliminar sobre gêneros textuais no ciberjornalismo de quarta geração
Ainarra Larrondo; Luciana Mielniczuk; Suzana Barbosa

Historiografía de los medios de comunicación en internet: algunos apuntes metodológicos – revisión de la bibliografía en Brasil y España
Javier Díaz Noci

Ciberperiodismo en Cataluña: estado actual y tendencias
Josep Lluís Mico; Pere Masip

A memória como critério de aferição de qualidade no ciberjornalismo: alguns apontamentos
Marcos Palacios

Promessas para o futuro: as características do infográfico no ciberjornalismo a partir de um estudo exploratório
Tattiana Teixeira; Mayara Rinaldi

:::::::::::

Sala: 03

Sessão: Coordenada 10

QUALIDADE DA INFORMAÇÃO JORNALÍSTICA
Coordenação: Rogério Christofoletti

Jornalismo e informação de diagnóstico: um valor para a democracia
Danilo Rothberg

Responsabilidade social da mídia: análise conceitual e perspectivas de aplicação no Brasil, Portugal e Espanha
Fernando O. Paulino

Avaliação de qualidade jornalística: desenvolvendo uma metodologia a partir da análise da cobertura sobre segurança pública
Josenildo Luiz Guerra

Jornais populares de qualidade: ética e sensacionalismo em um novo fenômeno no mercado de jornalismo impresso
Laura Seligman

O jornalismo como teoria democrática
Luiz Martins da Silva

Concentração de mídia, padronização jornalística e qualidade do noticiário: o caso de Santa Catarina
Rogério Christofoletti

::::::::::::

Sala: 04

Sessão: Coordenada 11

JORNALISMO, EPISTEMOLOGIA E NARRATIVAS
Coordenação: Ronaldo Henn

A narratividade do discurso jornalístico: a questão do outro
Fernando Resende

Teorias da notícia: impasses para a teoria do jornalismo
Gislene Silva; Felipe Simões Pontes

Do documentário ao jornalismo: acontecimento, tempo e memória em Cabra Marcado para Morrer
Ronaldo Henn

Mídias e mediação: discurso jornalístico em narrativas digitais
Rosana de Lima Soares

::::::::::::

Sala: 05

Sessão: Coordenada 12
MUTAÇÕES NO JORNALISMO
Coordenação: Thais de Mendonça Jorge

Midiatização, a terceira descontinuidade do jornalismo
Demétrio de Azeredo Soster

O fotojornalismo em tempo de convergência digital: entre algumas permanências e outros desvios
José Afonso da Silva Jr.

O poder de ser um gênero jornalístico: novos formatos se tornam novos gêneros?
Lia Seixas

A notícia nos cibermeios: três hipóteses sobre a mutação do relato noticioso
Thais de Mendonça Jorge

Blogs: a invasão dos profanos do mundo digital na esfera sagrada do jornalismo
Zélia Leal Adghirni

::::::::::::

Sala: 06

Sessão: Coordenada 13

II COMUNICAÇÃO COORDENADA “JORNALISMO E TECNOLOGIA”
Coordenação: Walter Teixeira Lima Junior

Sistemas aplicados ao ciberjornalismo: gestão de conteúdos e produção jornalística
Ben-Hur Correia; Carla Schwingel

Jornalismo e inovação: aproximações conceituais entre academia e setor produtivo
Carlos Eduardo Franciscato

Enredamentos cidadãos, cidadãos enredados: bases para pensar outra atuação e formação do jornalista no século XXI
Enio Moraes Júnior

Fotojornalismo na web: atualização de alguns conceitos e usos a partir da análise das imagens fotojornalísticas disponíveis no UOL Notícias
Jorge Carlos Felz

A composição da página noticiosa nos jornais digitais: o estado da questão
Luciana Moherdaui

O uso dos Sistemas de Suporte à Decisão (SSD) visando à melhora da qualidade do conteúdo jornalístico
Walter Teixeira Lima Junior

::::::::::::

Sala: 07

Sessão: Individual 21
Coordenação: Marta Maia

Jornalismo e literatura em Corpo-a-corpo: fato, ficção e romance-reportagem na escrita de João Antônio
Cláudio Rodrigues Coração

Erico Verissimo e jornalismo: a hipótese da Espiral do Silêncio em Incidente em Antares
Eduardo Ritter

A construção dos efeitos de verdade: um estudo de caso sobre Os sertões e Abusado
Maria Alice Lima Baroni

Narrativa onisciente no jornalismo: possibilidade de ampliação da captação
Marta Regina Maia; Felipe Rodrigues

Jornalismo literário e ciência: uma análise quantitativa de reportagens da revista Piauí
Mateus Yuri Ribeiro da Silva Passos

O bom ouvinte: José Hamilton Ribeiro na perspectiva do jornalismo literário e da cultura do ouvir
Monica Martinez

::::::::::::

Sala: 08

Sessão: Individual 22
Coordenação: Edson Dalmonte

Sistemas de Recomendação de notícias nas Mídias Sociais buscam substituir o gatekeeping dos Meios de Comunicação de Massa
Cláudia Ferraz Castelo Branco; Pablo Barbosa

Onde está a democracia do webjornalismo participativo? O caso do canal vc repórter – Portal Terra
Cristiane Lindemann

A esfera paratextual: o lugar do leitor-participante no webjornalismo
Edson Fernando Dalmonte

A leitura ativa no jornalismo online: o fenômeno da interação hipertextual na organização da participação jornalística
Laura Strelow Storch

Apuração jornalística na Internet: potencialidades e limites
Vivian de Azevedo Virissimo

A cauda longa da informação e suas implicações no jornalismo: estratégias comunicacionais, remediação e des-re-territorialização
Vivian Belochio

::::::::::::

Sala: 09

Sessão: Individual 23
Coordenação: Carmen Abreu

O poder simbólico da notícia: mídia, eleições e escândalo político
Carlos Figueiredo

A ausência de Lula no debate da TV Globo sob a perspectiva dos jornais Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e O Globo
Carmen Abreu

Politics, policy e o jornalismo político
Diego Mattoso

Liberdade de imprensa e proteção da privacidade: fatos e opiniões sobre o Mensalão
Ericka de Sá Galindo

O jornalismo em concursos públicos
Henrianne Barbosa

Jornalismo, imaginário e poder no Império Brasílico
Luís Francisco Munaro

Read Full Post »

IV Jornadas Internacionais de Jornalismo

IV Jornadas Internacionais de Jornalismo

Por Jorge Pedro de Sousa

Estão abertas inscrições para participação, com e sem comunicação, nas IV Jornadas Internacionais de Jornalismo, que se realizam na Universidade Fernando Pessoa (UFP), Porto, Portugal, no sábado, dia 4 de Abril do próximo ano.

As comunicações podem versar todos os temas relacionados com jornalismo e assuntos afins e serão publicadas em CD de atas com depósito-legal e ISBN, disponíveis também na Biblioteca Digital da Universidade Fernando Pessoa. Haverá um sistema de dupla arbitragem científica cega para as propostas de comunicação. São admitidas comunicações em português, galego, espanhol e inglês.

A organização das Jornadas resulta de uma parceria entre os cursos de Comunicação da UFP, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Escola Superior de Educação de Coimbra, Escola Superior de Educação de Leiria e Instituto Politécnico de Portalegre. O evento pretende ser um patrimônio da comunidade lusófona (incluindo a Galiza) e hispano-falante dos pesquisadores em Jornalismo.

Nas edições anteriores das Jornadas, apresentaram-se, em média, cerca de 130 trabalhos por evento, da autoria de pesquisadores portugueses, brasileiros, galegos, espanhóis, franceses, americanos e de outros países.

Informações detalhadas estão disponíveis no sítio web das IV Jornadas Internacionais de Jornalismo: http://4jornadasdejornalismo.ufp.pt

O endereço de correio eletrônico para submissão de comunicações e informações é: jornadasdejornalismo@hotmail.com

Read Full Post »

Cartaz da Campanha pela exigência do diploma de jornalismo da Fenaj

Cartaz da Campanha pela exigência do diploma de jornalismo da Fenaj

Do Boletim do Sindjor-MS

Em parceria com os centros acadêmicos dos cursos de Jornalismo de Campo Grande, o SindJor-MS marcou para o próximo sábado, dia 27 de setembro, a partir das 9h30, uma manifestação para coleta de assinaturas públicas em defesa do diploma de jornalismo como condição essencial para se exercer a profissão.

Acadêmicos de jornalismo, professores e profissionais estarão concentrados próximos ao Bar do Zé, que fica entre as ruas 14 de Julho e 13 de Maio, sensibilizando os que passarem a assinarem o abaixo-assinado oficial que já conta com várias adesões nacionais.

O Recurso Extraordinário RE/511961, que está em pauta no Supremo Tribunal Federal (STF), questiona a exigência do diploma de jornalismo como condição essencial para exercer a profissão. Se os ministros aprovarem o recurso, qualquer pessoa, em tese, mesmo as que têm apenas o ensino fundamental ou até analfabetos, poderão requerer o direito de se tornarem jornalistas.

Uma das principais estratégias é esclarecer à maior parte da população que não se trata de uma defesa classista e, sim, social, já que o jornalista seria um profissional preparado, de forma ética, para o necessário equilíbrio das verdades.

Membros da diretoria do SindJor-MS devem visitar as redações de Campo Grande a partir de quinta-feira para ajudar a mobilizar a categoria. Os acadêmicos e o SindJor-MS esperam a presença de todos no sábado.

Read Full Post »

Cartaz da Campanha da Fenaj pela exigência do diploma de jornalista

Cartaz da Campanha da Fenaj pela exigência do diploma de jornalista

Do Boletim da Fenaj

A pesquisa de opinião nacional CNT/Sensus, divulgada ontem (22), em Brasília, pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), registra que a grande maioria da população brasileira é a favor da exigência do
diploma para o exercício da profissão de jornalista. Dos dois mil entrevistados em todo Brasil, 74,3% se disseram a favor do diploma, 13,9% contra e 11,7% não souberam ou não responderam.

Os dados foram muito comemorados pela Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) e pelos sindicatos de jornalistas. Para o presidente da FENAJ, Sergio Murillo de Andrade, este é melhor apoio que a campanha
poderia obter e o resultado da pesquisa renova as forças dos que estão lutando pela regulamentação profissional. “Esses números da pesquisa CNT/Sensus mostram que a população brasileira tem a real dimensão da importância do jornalismo para o País e que quer receber informações de qualidade, apuradas por jornalistas formados”.

Murillo afirmou, também, que esses dados ficam ainda mais importantes com a proximidade da votação da exigência do diploma pelo STF e espera que ministros percebam o desejo da sociedade. “O STF tem a chance de mostrar à população que anda junto com seus anseios, reconhecendo que jornalismo precisa ser feito por profissionais com formação teórica, técnica e ética e que o jornalismo independente e plural é condição indispensável para a verdadeira democracia”.

A Pesquisa CNT/Sensus quis saber, também, o que a população acha da criação do Conselho Federal dos Jornalistas. Para a pergunta: o sr. (a) acha que deveria ou não deveria ser criado um Conselho Federal dos

Jornalistas, para a regulamentação do exercício da profissão no País – como as OAB’s para os Advogados e os CREA’s para os Engenheiros, o resultado foi que 74,8 % acham que o Conselho deveria ser criado, 8,3% que não deveria ser criado, para 6,5% depende e 10,4% não sabem ou não responderam.
A Pesquisa foi realizada de 15 a 19 de setembro, com dois mil questionários aplicados em cinco regiões brasileiras e 24 estados, com sorteio aleatório de 136 municípios pelo método da Probabilidade Proporcional ao Tamanho – PPT. A margem de erro é de mais ou menos 3%.

Read Full Post »

Por Fernando Firmino do Blog do GJOL

O Globo iniciou hoje uma nova estratégia de produção e distribuição de conteúdo jornalístico. O Jornal O Globo e Globo Online passam a ser representados por uma única marca: O Globo. A produção passa a ser integrada com distribuição por multiplataformas dentro do processo de convergência. Uma campanha publicitária (ver vídeo acima), denominada “Muito além do papel de um jornal“, já começou a divulgar a estratégia do grupo baseado na idéia de ” Nosso negócio é informação, multiplataforma, multimarca e multigeografia”.

O processo de convergência faz parte desta decisão com a multiplicação de plataformas como celular e uma participação mais ativa dos consumidores que navegam em busca de informação por jornais impressos, internet e celular. Matéria publicada hoje pelo O Globo apresenta a motivação para a mudança, como a incorporação de forma mais ativa do jornalismo digital e o crescimento de leitores de jornais em mercados emergentes, ao contrário da queda que ocorre nos Estados Unidos. Adiciona-se o uso do celular como plataforma cada vez mais crescente de consumo de informação.

Atualmente um grupo de pesquisadores brasileiros e espanhóis, através de convênio internacional coordenado pelo GJOL na parte do Brasil, empreende uma ampla pesquisa sobre a convergência de meios em empresas de comunicação dos dois países.

Read Full Post »

Older Posts »